Busca no Blog

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Homeland - 03x09: One Last Time (Review)

 
Postagem episódio anterior:A Red Wheel Barrow.
De coração apertado, mas cheio de esperança.
 >>>>> Spoilers Abaixo <<<<<
Acho que vou ser um pouco sentimental com essa review. Assim já peço desculpas antecipadas por isso e a quem não gostar dessa direção.  Eu mesma admito que esse é um foco estranho para uma série de espionagem.
Mas para mim, esse episódio não pode ter outra abordagem. Pois embora tivemos jogadas de espionagem,  algumas interessante por sinal. O que prevaleceu com seus acontecimentos tocantes, o que carreguei ao terminá-lo, foi uma tristeza, talvez um saudosismo.
 E isso não é uma crítica ruim. Há de se constatar que foi uma tristeza diferente daquelas devastadoras que me fazem pensar que a vida não vale a pena. Pois apesar de um episódio doloroso, lento em vários momentos, com cenas emotivas (tristes, saudosas, algumas até românticas, e sem chegar ao patamar sexual), distanciamento, a perda do instinto de sobrevivência, derrotas, no fim, o que prevaleceu foi a vitória, e a ideia que a vontade consegue tirar qualquer um do fundo do poço, mesmo o poço sendo realmente bem fundo.
Esse é o caso de Brody. Podemos dizer que em  “One Last Time” ele voltou de verdade a série sendo o foco desse capítulo. E inicialmente se apresentou como um homem destruído, doente, viciado, sem vontade de viver (da mesma maneira que o vimos no fim de “Tower of David”)
Só que nesse, ele tinha que se recuperar para executar o arriscado plano de Saul (bota arriscado nisso, até pro nível de Homeland há muitas chances de falhas).
Plano que consiste em levar Brody ao Irã para matar o chefe de Javadi de modo que esse assuma o poder, abrindo uma conversa com os EUA para trilhar a paz entre os dois países (olha quantos pontos delicados tem? Depositando tanta confiança em gente duvidável. Mas por outro lado, sabemos o plano, oba!)
E como recuperar a alma de uma pessoa, trazer um personagem tão devastado e afastado da trama é difícil, o que poderia levar muito tempo. Tiro o chapéu para o modo que fizeram isso de maneira rápida, pois apesar do plano com problemas, a volta me convenceu .
O primeiro empecilho se mostra no próprio estado físico e mental de Brody. Mas sendo parte primordial, Saul fez de tudo para recuperá-lo. Deu muita pena ver o ex-sargento passar por essa dura trajetória (desintoxicação, a necessidade das drogas, ataques violentos, auto flagelação e etc.).
E nem adiantou usar medicamentos ilegais para ele se desintoxicar mais rápido, jogar Brody no meio do mar, Saul dizer sua opinião na cara dele (ele pode ser inocente do último ataque, mas não foi inocente em outros). Não adiantou, pois o homem não tinha vontade de viver. Não via motivos pra isso. O emocional era mais importante e mais difícil de tratar que o físico.
 Assim Saul teve que usar a sua cartada mais arriscada, e que ele se esforçou tanto para não utilizar (até numa espécie de prisão hospitalar, ela estava sendo mantida): Carrie.
E pensando na situação dela, que continua grávida (mesmo que alguns sugeriram e até torceram para que ela perdesse o bebê após o tiro), depois da sua última ação, ela vivenciava uma espécie de afastamento da CIA, chegando à conclusão de que seu mentor a deixava cada vez mais no escuro, além de agir contra ela (a perda de confiança entre eles é evidente).
Só que mais uma vez, foi Carrie que em duas vertentes diferentes conseguiu que o plano continuasse sendo executado.
A primeira inusitada e acidental se refere ao vazamento da informação de que Saul havia viajado para Caracas.
O desenvolvimento sobre o amante espião israelense de Mira foi rápido, e supreendentemente vantajoso para Saul, que conseguiu umas semanas para recuperar Brody e executar o seu plano (tempo realmente necessário).
Mesmo assim sua conversa com o senador, ainda pode trazer algumas dúvidas. Será que o barbudo quer apenas a paz entre o ocidente e o oriente médio com seu plano? Ou ele ainda vai conseguir tirar Lockhart da CIA?
Já na outra vertente a ajudinha de Carrie foi intencional, se tratando diretamente de Brody.
Desde a primeira e principalmente na segunda temporada, a agente, talvez por ter uma ligação emocional com ele, é a única que se mostra efetiva em tirá-lo de qualquer situação, colocá-lo de “ volta aos trilhos”. Ela o conhece mais do que ninguém, ao mesmo tempo em que se importa com ele, mas também sabe usar os seus conhecimentos para convencê-lo (ou talvez manipulá-lo).
Nesse ponto, foi com certo prazer que vi Carrie e Brody contracenando. Para mim, eles possuem um carisma, uma força, e conseguem tornar uma trama chata, lenta em algo emocionante (diferente da família Brody e outras parcerias).  Como os dois funcionam bem. Uma pena que eles não devam contracenar mais tão logo.
E até foi interessante ver a situação inicial do distanciamento deles. Brody , em seu atual estado de espírito, não demonstra muita reação a ela. O que a abala, mas não faz a faz perder as esperanças.
Pois motivar Brody, Carrie realmente faz como ninguém.  Mesmo que suas ações a façam ser chamada de vadia pelo pai do bebê que espera,  o homem por quem arriscou sua vida diversas vezes. Ela sabe apertar os botões certos para levá-lo a ação com seu grande ponto fraco: Dana.
O foco nessa personagem tem sido um dos meus motivos de chateação com essa temporada. Dana não funciona bem nas suas peripécias individuais. Mas eu nunca neguei que gostava dela em seu relacionamento com o pai.
E foi assim que ela voltou a Homeland, no ponto em que funciona (claro que citam suas ações individuais na temporada, como se os roteiristas quisessem mostrar que tanto foco tinha motivos).
Mas dessa vez gostei da aparição de Dana, o fato dela levar Brody num caminho de reparação e redenção pela culpa e amor que ele sente por ela. O encontro, a conversa dos dois foi coerente, sincera, dura e me tocaram de verdade.
E à medida que a situação de Dana motivou Brody. Ele recuperou o interesse pela vida. Começou a modelar o corpo e a mente. E a mostrar um pouco do seu lado emocional além da filha.
Essa parte pode soar um tanto romântica e novelesca (coisa que muitos não gostam). Mas eu cresci assistindo novelas e não sou de cuspir no prato que comi.  Assim o romance mesmo numa série de espionagem pode me interessar.
E de certa forma, foi diferente a conversa de amigos entre Brody e seu colega sobre Carrie. Ele mais do que ninguém é difícil de demostrar esse tipo de sentimento romântico.
Mas deu para perceber também através de uma fala posterior que ele não se sentia confortável com o “afastamento” dela. E mais sentimentos foram mostrados quando ele diz que voltará do Irã (Brody está ciente que tem poucas chances disso acontecer) e não só por Dana. É sua força de vontade de volta.
E em muitas dessas conversas, olhares. Vou comentar isso com medo de soar bem sentimental  no nível novelesco. Eu sentia um mistério a mais me guiando, bem, não um mistério.  Era mais uma dúvida. Será que Carrie irá contar sobre a gravidez agora?
Essa gravidez foi muito contestada. Não tiro as razões disso.  É um ponto problemático. Mas até que entrei no jogo de contar ou não desse episódio. Meio que é algo que começou a me despertar mais interesse. Ainda mais que ninguém além de Carrie (e médicos) sabe.
A verdade é que eu comecei a divagar. Essa missão de Brody traz muitos riscos. E mais uma vez a possibilidade da sua morte surge com força. Nas outras ele escapou, mas e se não escapar dessa?
Seria esse filho uma maneira de nos lembrarmos de Brody e sua influência na vida de Carrie caso ele morra? Seria a maneira que os roteiristas criaram para ter um laço emocional forte para Carrie substituindo a atual ligação com ele? Já ouvi comentários de que ela não terá esse bebê, pois não funcionaria uma agente da CIA com um filho. Mas e se for justamente para substituir as suas motivações e atenções? Bem... De qualquer forma, Brody ainda não morreu e talvez isso nem aconteça (eu gosto do personagem e nem quero isso).
O que se sabe agora é que o foco será na missão dele, sendo que possivelmente teremos mais ação e emoção nos 3 episódios finais dessa temporada que estava um tanto mais lenta que as anteriores. Será que não haverá algumas surpresas e viradas também?
Esse ainda foi mais parado. Mais emotivo,  de construção, reflexão, unindo várias pontas, focando nos sentimentos de seus complexos personagens (principalmente Brody), o que me agradou. Mas talvez não agrade o público sedento por ação.
De qualquer forma, a série já conseguiu me prender no episódio anterior, e esse continuou me proporcionando essa sensação numa maneira mais sentimental, isso é algo que adoro. Espero que os próximos continuem nesse caminho. Prendendo de diversas maneiras com esse jeito Homeland de ser.
Próximo Episódio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário